O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro estruturado apresenta de forma criativa e organizada a integração entre o paisagismo rural, a agropecuária e a cultura local. As ações desenvolvidas nas propriedades, voltadas ao turismo, visam aproximar e integrar os laços socioeconômicos dos meios urbano e rural como fator determinante da sustentabilidade turística do município.  

O fortalecimento de vínculos entre o rural e o urbano, inclusão social e melhoria da qualidade de vida estão relacionadas à geração de renda complementar às atividades rurais, a partir da produção e da venda da Produção Associada ao Turismo (PAT) -  alimentação e artesanato, produtos coloniais diversos e mudas de flores. Entre os anos de 2008 a 2016 foram recebidas 76 excursões, cerca de 2.000 pessoas. Na temporada de 2015/2016 (outubro-abril), o complemento médio anual na renda foi de R$ 3.000,00 por família. No mesmo período, a micro empresa rural constituída para atender o segmento de alimentação (almoço) teve uma receita bruta de R$ 10.000,00. 

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: 2008 (em andamento)

ENTIDADES EXECUTORAS: Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural e a Associação Sulina de Crédito e Assistência Rural (EMATER-RS/ASCAR)

ENTIDADE CO-EXECUTORA:  Secretaria de Bem-Estar Social da Prefeitura de Ipiranga do Sul. 

APRESENTADO POR: Renata Graciela Delanora Bombana e Fernanda Costa da Silva 

RECURSOS: Próprios e de terceiros.

FAIXA DE VALOREntre US$ 15 e 25 mil.

CATEGORIA: Projeto.

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Inclusão Sócio-Produtiva.

PALAVRAS-CHAVE: Turismo Rural, cultura local, embelezamento do meio rural, sustentabilidade, agricultura familiar. 

PÚBLICO-ALVO: Agricultores Familiares e publico urbano

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Municipal 

ÁREA ESPECÍFICA DE IMPLANTAÇÃO:  Comunidades rurais do Município de Ipiranga do Sul -RS

  

B - Descrição da prática

 

1- ANTECEDENTES

As comunidades rurais de Ipiranga do Sul apresentavam em 2006 características comuns à situação do meio rural em nível nacional. O saneamento básico necessitava ainda de melhorias, existia baixa diversificação na origem da renda familiar e dificuldade em viabilizar a propriedade. As mulheres lutavam por maior espaço na sociedade e nas decisões da família. A igualdade de gênero necessitava de atenção para que as mulheres, em especial as do meio rural, também pudessem crescer em formas de participação e autonomia. O cenário dessas pequenas propriedades familiares era propicio ao êxodo rural. Por outro lado, o ambiente também demonstrava potencialidades, em especial, pelos aspectos culturais de algumas famílias no embelezamento de seus jardins, a tradição na gastronomia local de qualidade e a hospitalidade tradicional das famílias rurais. A susceptibilidade das famílias às novas ideias e o protagonismo das mulheres foram condições essenciais para o envolvimento ativo das instituições públicas locais na criação de um Caminho Turístico. 
   

2- OBJETIVO GERAL

Incentivar o desenvolvimento da atividade turística sob a ótica de um turismo responsável, de base comunitária, visando priorizar a agricultura familiar nos eixos: econômico, ambiental e social.

Objetivos específicos:

  • Promover ações de organização e embelezamento de arredores;

  • Orientar práticas de saneamento básico e destino adequado do lixo;

  • Incentivar o protagonismo feminino no meio rural;

  • Promover ações e eventos para a valorização da cultura rural;

  • Qualificar as propriedades rurais com aptidão turística;

  • Valorizar a diversidade produtiva do meio rural e geração de renda; 

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

A criação do “Caminho das Flores, Cores e Sabores” como estratégia de promoção do turismo rural na agricultura familiar iniciou em 2008. Extensionistas da Emater e profissionais da gestão municipal identificaram a necessidade de promover ações de organização dos arredores das propriedades rurais. Algumas etapas foram realizadas até a consolidação do “Caminho das Flores, Cores e Sabores”.

A execução do projeto iniciou através do levantamento das propriedades rurais com potencial e/ou vocação turística nas comunidades rurais do município. A demonstração de interesse por parte do agricultor foi fundamental para a continuidade das ações. As primeiras ações na propriedade foram visitas técnicas com orientações em saneamento básico (destino correto dos dejetos humanos e águas servidas, separação e destinação adequada do lixo doméstico). Concomitante, foram realizados cursos e oficinas de jardinagem, valorizando as espécies botânicas existentes na paisagem e na cultura local. Concursos municipais de jardinagem, com foco no paisagismo rural, foram essenciais para valorizar às propriedades e promover a troca de experiências entre os participantes.

A construção do roteiro ocorreu através de reuniões de sensibilização, adesão ao grupo de turismo rural e estruturação de estatuto do grupo de turismo (informal). Nesse processo, a capacitação sobre o tema turismo rural e as visitas técnicas serviram para coletar informações, estabelecer estratégias adequadas para a região e conhecer os exemplos de sucesso. De 2010 a 2017, os agricultores conheceram às experiências de: Gramado e Canela; Cantina Trentin em Severiano de Almeida; Festival da Primavera em Nova Petrópolis, Ponte Preta e Barão de Cotegipe; Quinto Rancho em Marcelino Ramos; Rota das Salamarias em Marau; Caminhos Poloneses de Áurea e; Propriedade rural sustentável em Itatiba do Sul. Todos localizados no Estado do Rio Grande do Sul.

O assessoramento continuado às propriedades, através de Assistência Técnica e Extensão Rural Social, na perspectiva da gestão e do planejamento nas unidades produtivas, na promoção da igualdade de gêneros, reconhecendo e valorizando o papel de cada integrante no processo de desenvolvimento da unidade de produção familiar é de suma importância para a manutenção da prática. Por fim, as famílias são protagonistas na construção e desenvolvimento do projeto, em especial as mulheres rurais. Em diversas oportunidades os agricultores e agricultoras são encorajados a partilharem suas experiências, divulgando os resultados do projeto por meio da participação em eventos relacionados ao tema.

  

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS

Como resultados alcançados através da promoção do turismo rural na agricultura familiar, destacam-se.

• As edições, do concurso de jardinagem contaram com um número significativo de participantes: 2006 - 18 famílias; 2007 - 14 famílias; 2008 – 18 famílias; 2009 - 22 famílias; 2010 - 15 famílias; 2011 - 12 famílias; 2012 - 19 famílias; 2013 - 15 famílias; 2014 - 09 famílias; 2015 - 15 famílias, 2016 – 11 famílias;
• Visitas técnicas realizadas a outros municípios no ano de 2006 a 2016: 9 visitas técnicas;
• Atualmente, nove famílias participam do Caminho das Flores Cores e Sabores;
• Excursões recebidas entre 2008 a 2016: 76 visitas, cerca de 2000 pessoas. As excursões são oriundas, em sua maioria, da região sul do Brasil;
• Inclusão social e produtiva das mulheres através do protagonismo na organização da propriedade para recebimento dos convidados;
• Melhoria de relacionamento e autoestima das famílias participantes;
• Embelezamento das propriedades (trabalho com criatividade e qualificação para cultivo das espécies diversas);
• Organização das propriedades: saneamento básico, lixo, organização dos galpões, maquinários, horta e pomar;
• Formação de grupo e comercialização de artesanato nas excursões e demais eventos relacionados, incluindo 10 mulheres em grupo informal que agregam renda e saúde mental com trabalhos manuais, atividade essa inserida na rotina feminina do meio rural;
• Estruturação (MEI) do serviço de alimentação em uma propriedade rural integrante do grupo, possibilitando a inserção de uma nova atividade econômica na propriedade rural, fortalecendo também a sucessão familiar devido a participação de jovem da família na atividade. A atividade registrou receita bruta de R$ 10.000,00 na temporada 2015/2016.
• Desenvolvimento do Turismo Rural no município.
• Produção e comercialização local de produtos coloniais, tais como: doce de frutas, doce de leite, vinho, pães, entre outros.
• Renda média (2015/2016) por família de R$ 3.000,00 (considerando também a Produção Associada ao Turismo (PAT).

 

 5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

Recursos humanos: Para desenvolvimento da prática é necessário: 01 turismólogo; 01 assistente social rural e; 01 profissional técnico na área agrícola e ambiental. 

Recursos Materiais: 2 salas, mobílias, 2 computadores,1 notebook, GPS, telefone, máquina fotográfica, aparelho de nível, carros, materiais de expediente, entre outros.

 

6 - TRANSFERÊNCIA

A partir dos resultados observados nas propriedades participantes das edições dos concursos municipais de jardinagem e da estruturação do roteiro, outras famílias rurais do município passaram a demonstrar interesse procurando assessoramento para realização de ações no mesmo sentido. Municípios da região, também, desenvolveram atividades similares a partir da realização de visitas técnicas organizadas por extensionistas rurais da Emater resultando em multiplicação prática. Alguns exemplos de replicação são os “Caminhos Poloneses em Aurea-RS e a Alegria dos Jardins em Ponte Preta -RS. Participação em eventos relacionados para divulgação da prática: I Encontro de Turismo Rural em Áurea/RS 2016 e; II Encontro Regional de Turismo Rural – 2017.

  

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

O desenvolvimento da prática possibilitou o reconhecimento e a valorização de aspectos locais socioculturais, ambientais e econômicos, especialmente pelo protagonismo das famílias. Também fez refletir sobre a importância da inclusão social e produtiva das mulheres na comunidade, mediante resgate e valorização da cultura local e das espécies de plantas usadas nos jardins. Observa-se que a prática desenvolve o empoderamento das mulheres rurais e a inclusão social através de um novo seguimento socioeconômico. O turismo rural fornece ao público feminino participação ativa na gestão da propriedade familiar e desperta novas vivências e conquistas junto à sociedade.

A diversidade de metodologias adotadas permitiu construir a prática de maneira sustentável, da mesma forma que as ações desenvolvidas com o grupo possibilitam até hoje a existência do roteiro. Já os impactos, refletidos nas questões de geração de renda, valorização das propriedades, participação ativa das mulheres, saúde, autoestima e qualidade de vida, evidenciam a relevância de se trabalhar as questões comunitárias para que o Turismo Rural seja bem estruturado.

Algumas dificuldades foram enfrentadas durante a execução do processo, a saber: resistência das famílias em reconhecerem como positivas suas ações na propriedade; valorização da cultura local; valorização dos meios de produção e subsistência; sazonalidade das visitas, concentradas entre outubro e abril - não garantindo um fluxo contínuo de visitantes; manutenção das propriedades e investimentos necessários durante todo o ano; entraves quanto ao reconhecimento da capacidade de uma nova atividade no município (Turismo Rural).

 

8 - ORIGINALIDADE DA PRÁTICA

A prática descrita acima foi pioneira nesta região, sendo que sua metodologia de implantação foi realizada pela Emater/RS

 

 

 

 

As visitas podem ser realizadas de segunda a sexta feira das 08h-17h. Grupos de até 25 pessoas. A melhor época para visitas é de outubro a abril

powered by contentmap
Projeto Mulheres do Café (14 C)

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Trata-se de uma metodologia inovadora de assistência técnica e extensão rural - ATER - junto a mulheres na agricultura familiar, com a finalidade de promover sua capacitação e organização produtiva na cultura do café. Garantindo adicionalmente a qual ...

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

A laranja in natura é uma das alternativas de renda com viabilidade econômica na região de Nova América da Colina, possuindo expressivo mercado potencial, face à proximidade de grandes centros consumidores. No início dos anos 2000, técnicos da Emater ...

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

A prática apresenta as ações desenvolvidas pelo Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG) com o objetivo de fortalecer a cadeia sustentável de produtos orgânicos da região Centro-Oriental do Paraná com b ...

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

O Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar visa à integração das Cooperativas da Agricultura Familiar em rede, em nível de Estado, com a finalidade de criar uma inter-relação entre as mesmas e o mercado, de forma organizada e ...

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

O projeto Sustentabilidade de Comunidades Indígenas tem o objetivo de promover a sustentabilidade do modo de vida Guarani das comunidades indígenas Tekoha Ocoy, no Município de São Miguel do Iguaçu, Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, ambas no Município ...

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Realizado em parceria com associações de apicultores, o Programa de Apicultura e Meliponicultura tem como objetivo apoiar as comunidades locais, proporcionando o uso racional da biodiversidade, aliado à preservação da natureza através do desenvolvime ...

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da a ...

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Gar ...

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3 ...

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

O projeto Biodiesel para Inclusão Social busca, através da disponibilidade de resíduos oleosos na região litorânea catarinense, aliar as atividades dos trabalhadores locais, que necessitam ampliar sua renda e que já estão inseridos na coleta e seleçã ...

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Ap ...

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

O Projeto Jovens Rurais em Movimento busca o fortalecimento do tecido sócio-organizativo do território através do estímulo à participação jovem em fóruns próprios e instâncias territoriais de discussão e decisão. A essência do referido projeto foi a ...

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

A legítima Vivência Solidária (VS) é aquela formada e exercida por certo número de pessoas que possuem os mesmos interesses e princípios e que estão dispostos a vivenciá-los numa vida em comum. Consiste inicialmente em colocar a disposição dos demais ...

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

A Acolhida na Colônia é uma associação de agricultores familiares destinada ao desenvolvimento do agroturismo. Através dela, pequenos agricultores passaram a oferecer, em suas propriedades, atividades de hospedagem, alimentação, venda de produtos, la ...

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

O projeto hortas comunitárias, desenvolvido desde 2001, é uma estratégia da Eletrosul para o gerenciamento das áreas de risco do sistema de operação de energia elétrica, por meio da conscientização das comunidades sobre os riscos da ocupação irregula ...

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

O projeto “De Olho na Terra” teve como objetivo a criação de um telecentro com internet banda larga, anexo ao centro comunitário do Assentamento da Reforma Agrária “Butiá”, localizado no distrito de Volta Grande, município de Rio Negrinho/SC. Atualme ...

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

A prática apresenta trabalhos desenvolvidos ao longo de 16 anos com a produção de oleráceas em manejo orgânico na região norte do Paraná, com obtenção de produtividade e qualidade comparada e/ou superior à da agricultura convencional. Para essa reali ...

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

O “Caprichando a Morada” busca garantir de forma cooperada e solidária o acesso à moradia de qualidade para agricultores familiares através da sensibilização quanto aos programas habitacionais rurais, mobilização e inclusão dos agricultores no sistem ...

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

A experiência refere-se às ações desenvolvidas pela EMATER/RS-Ascar, em parceria com a AREDE e Rede Ecovida de Agroecologia – Núcleo Missões com o objetivo de contribuir com os agricultores familiares para a obtenção do Certificado de Conformidade Or ...

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

A implantação da Cantina de Vinho Colonial na propriedade da família Dal Prá objetiva viabilizar técnica e economicamente a pequena propriedade familiar através da agregação de valor ao cultivo da uva, gerando renda com a comercialização do produto i ...

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7