O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro estruturado apresenta de forma criativa e organizada a integração entre o paisagismo rural, a agropecuária e a cultura local. As ações desenvolvidas nas propriedades, voltadas ao turismo, visam aproximar e integrar os laços socioeconômicos dos meios urbano e rural como fator determinante da sustentabilidade turística do município.  

O fortalecimento de vínculos entre o rural e o urbano, inclusão social e melhoria da qualidade de vida estão relacionadas à geração de renda complementar às atividades rurais, a partir da produção e da venda da Produção Associada ao Turismo (PAT) -  alimentação e artesanato, produtos coloniais diversos e mudas de flores. Entre os anos de 2008 a 2016 foram recebidas 76 excursões, cerca de 2.000 pessoas. Na temporada de 2015/2016 (outubro-abril), o complemento médio anual na renda foi de R$ 3.000,00 por família. No mesmo período, a micro empresa rural constituída para atender o segmento de alimentação (almoço) teve uma receita bruta de R$ 10.000,00. 

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: 2008 (em andamento)

ENTIDADES EXECUTORAS: Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural e a Associação Sulina de Crédito e Assistência Rural (EMATER-RS/ASCAR)

ENTIDADE CO-EXECUTORA:  Secretaria de Bem-Estar Social da Prefeitura de Ipiranga do Sul. 

APRESENTADO POR: Renata Graciela Delanora Bombana e Fernanda Costa da Silva 

RECURSOS: Próprios e de terceiros.

FAIXA DE VALOREntre US$ 15 e 25 mil.

CATEGORIA: Projeto.

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Inclusão Sócio-Produtiva.

PALAVRAS-CHAVE: Turismo Rural, cultura local, embelezamento do meio rural, sustentabilidade, agricultura familiar. 

PÚBLICO-ALVO: Agricultores Familiares e publico urbano

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Municipal 

ÁREA ESPECÍFICA DE IMPLANTAÇÃO:  Comunidades rurais do Município de Ipiranga do Sul -RS

  

B - Descrição da prática

 

1- ANTECEDENTES

As comunidades rurais de Ipiranga do Sul apresentavam em 2006 características comuns à situação do meio rural em nível nacional. O saneamento básico necessitava ainda de melhorias, existia baixa diversificação na origem da renda familiar e dificuldade em viabilizar a propriedade. As mulheres lutavam por maior espaço na sociedade e nas decisões da família. A igualdade de gênero necessitava de atenção para que as mulheres, em especial as do meio rural, também pudessem crescer em formas de participação e autonomia. O cenário dessas pequenas propriedades familiares era propicio ao êxodo rural. Por outro lado, o ambiente também demonstrava potencialidades, em especial, pelos aspectos culturais de algumas famílias no embelezamento de seus jardins, a tradição na gastronomia local de qualidade e a hospitalidade tradicional das famílias rurais. A susceptibilidade das famílias às novas ideias e o protagonismo das mulheres foram condições essenciais para o envolvimento ativo das instituições públicas locais na criação de um Caminho Turístico. 
   

2- OBJETIVO GERAL

Incentivar o desenvolvimento da atividade turística sob a ótica de um turismo responsável, de base comunitária, visando priorizar a agricultura familiar nos eixos: econômico, ambiental e social.

Objetivos específicos:

  • Promover ações de organização e embelezamento de arredores;

  • Orientar práticas de saneamento básico e destino adequado do lixo;

  • Incentivar o protagonismo feminino no meio rural;

  • Promover ações e eventos para a valorização da cultura rural;

  • Qualificar as propriedades rurais com aptidão turística;

  • Valorizar a diversidade produtiva do meio rural e geração de renda; 

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

A criação do “Caminho das Flores, Cores e Sabores” como estratégia de promoção do turismo rural na agricultura familiar iniciou em 2008. Extensionistas da Emater e profissionais da gestão municipal identificaram a necessidade de promover ações de organização dos arredores das propriedades rurais. Algumas etapas foram realizadas até a consolidação do “Caminho das Flores, Cores e Sabores”.

A execução do projeto iniciou através do levantamento das propriedades rurais com potencial e/ou vocação turística nas comunidades rurais do município. A demonstração de interesse por parte do agricultor foi fundamental para a continuidade das ações. As primeiras ações na propriedade foram visitas técnicas com orientações em saneamento básico (destino correto dos dejetos humanos e águas servidas, separação e destinação adequada do lixo doméstico). Concomitante, foram realizados cursos e oficinas de jardinagem, valorizando as espécies botânicas existentes na paisagem e na cultura local. Concursos municipais de jardinagem, com foco no paisagismo rural, foram essenciais para valorizar às propriedades e promover a troca de experiências entre os participantes.

A construção do roteiro ocorreu através de reuniões de sensibilização, adesão ao grupo de turismo rural e estruturação de estatuto do grupo de turismo (informal). Nesse processo, a capacitação sobre o tema turismo rural e as visitas técnicas serviram para coletar informações, estabelecer estratégias adequadas para a região e conhecer os exemplos de sucesso. De 2010 a 2017, os agricultores conheceram às experiências de: Gramado e Canela; Cantina Trentin em Severiano de Almeida; Festival da Primavera em Nova Petrópolis, Ponte Preta e Barão de Cotegipe; Quinto Rancho em Marcelino Ramos; Rota das Salamarias em Marau; Caminhos Poloneses de Áurea e; Propriedade rural sustentável em Itatiba do Sul. Todos localizados no Estado do Rio Grande do Sul.

O assessoramento continuado às propriedades, através de Assistência Técnica e Extensão Rural Social, na perspectiva da gestão e do planejamento nas unidades produtivas, na promoção da igualdade de gêneros, reconhecendo e valorizando o papel de cada integrante no processo de desenvolvimento da unidade de produção familiar é de suma importância para a manutenção da prática. Por fim, as famílias são protagonistas na construção e desenvolvimento do projeto, em especial as mulheres rurais. Em diversas oportunidades os agricultores e agricultoras são encorajados a partilharem suas experiências, divulgando os resultados do projeto por meio da participação em eventos relacionados ao tema.

  

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS

Como resultados alcançados através da promoção do turismo rural na agricultura familiar, destacam-se.

• As edições, do concurso de jardinagem contaram com um número significativo de participantes: 2006 - 18 famílias; 2007 - 14 famílias; 2008 – 18 famílias; 2009 - 22 famílias; 2010 - 15 famílias; 2011 - 12 famílias; 2012 - 19 famílias; 2013 - 15 famílias; 2014 - 09 famílias; 2015 - 15 famílias, 2016 – 11 famílias;
• Visitas técnicas realizadas a outros municípios no ano de 2006 a 2016: 9 visitas técnicas;
• Atualmente, nove famílias participam do Caminho das Flores Cores e Sabores;
• Excursões recebidas entre 2008 a 2016: 76 visitas, cerca de 2000 pessoas. As excursões são oriundas, em sua maioria, da região sul do Brasil;
• Inclusão social e produtiva das mulheres através do protagonismo na organização da propriedade para recebimento dos convidados;
• Melhoria de relacionamento e autoestima das famílias participantes;
• Embelezamento das propriedades (trabalho com criatividade e qualificação para cultivo das espécies diversas);
• Organização das propriedades: saneamento básico, lixo, organização dos galpões, maquinários, horta e pomar;
• Formação de grupo e comercialização de artesanato nas excursões e demais eventos relacionados, incluindo 10 mulheres em grupo informal que agregam renda e saúde mental com trabalhos manuais, atividade essa inserida na rotina feminina do meio rural;
• Estruturação (MEI) do serviço de alimentação em uma propriedade rural integrante do grupo, possibilitando a inserção de uma nova atividade econômica na propriedade rural, fortalecendo também a sucessão familiar devido a participação de jovem da família na atividade. A atividade registrou receita bruta de R$ 10.000,00 na temporada 2015/2016.
• Desenvolvimento do Turismo Rural no município.
• Produção e comercialização local de produtos coloniais, tais como: doce de frutas, doce de leite, vinho, pães, entre outros.
• Renda média (2015/2016) por família de R$ 3.000,00 (considerando também a Produção Associada ao Turismo (PAT).

 

 5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

Recursos humanos: Para desenvolvimento da prática é necessário: 01 turismólogo; 01 assistente social rural e; 01 profissional técnico na área agrícola e ambiental. 

Recursos Materiais: 2 salas, mobílias, 2 computadores,1 notebook, GPS, telefone, máquina fotográfica, aparelho de nível, carros, materiais de expediente, entre outros.

 

6 - TRANSFERÊNCIA

A partir dos resultados observados nas propriedades participantes das edições dos concursos municipais de jardinagem e da estruturação do roteiro, outras famílias rurais do município passaram a demonstrar interesse procurando assessoramento para realização de ações no mesmo sentido. Municípios da região, também, desenvolveram atividades similares a partir da realização de visitas técnicas organizadas por extensionistas rurais da Emater resultando em multiplicação prática. Alguns exemplos de replicação são os “Caminhos Poloneses em Aurea-RS e a Alegria dos Jardins em Ponte Preta -RS. Participação em eventos relacionados para divulgação da prática: I Encontro de Turismo Rural em Áurea/RS 2016 e; II Encontro Regional de Turismo Rural – 2017.

  

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

O desenvolvimento da prática possibilitou o reconhecimento e a valorização de aspectos locais socioculturais, ambientais e econômicos, especialmente pelo protagonismo das famílias. Também fez refletir sobre a importância da inclusão social e produtiva das mulheres na comunidade, mediante resgate e valorização da cultura local e das espécies de plantas usadas nos jardins. Observa-se que a prática desenvolve o empoderamento das mulheres rurais e a inclusão social através de um novo seguimento socioeconômico. O turismo rural fornece ao público feminino participação ativa na gestão da propriedade familiar e desperta novas vivências e conquistas junto à sociedade.

A diversidade de metodologias adotadas permitiu construir a prática de maneira sustentável, da mesma forma que as ações desenvolvidas com o grupo possibilitam até hoje a existência do roteiro. Já os impactos, refletidos nas questões de geração de renda, valorização das propriedades, participação ativa das mulheres, saúde, autoestima e qualidade de vida, evidenciam a relevância de se trabalhar as questões comunitárias para que o Turismo Rural seja bem estruturado.

Algumas dificuldades foram enfrentadas durante a execução do processo, a saber: resistência das famílias em reconhecerem como positivas suas ações na propriedade; valorização da cultura local; valorização dos meios de produção e subsistência; sazonalidade das visitas, concentradas entre outubro e abril - não garantindo um fluxo contínuo de visitantes; manutenção das propriedades e investimentos necessários durante todo o ano; entraves quanto ao reconhecimento da capacidade de uma nova atividade no município (Turismo Rural).

 

8 - ORIGINALIDADE DA PRÁTICA

A prática descrita acima foi pioneira nesta região, sendo que sua metodologia de implantação foi realizada pela Emater/RS

 

 

 

 

As visitas podem ser realizadas de segunda a sexta feira das 08h-17h. Grupos de até 25 pessoas. A melhor época para visitas é de outubro a abril

powered by contentmap
Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Realizado em parceria com associações de apicultores, o Programa de Apicultura e Meliponicultura tem como objetivo apoiar as comunidades locais, proporcionando o uso racional da biodiversidade, aliado à preservação da natureza através do desenvolvime ...

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

A legítima Vivência Solidária (VS) é aquela formada e exercida por certo número de pessoas que possuem os mesmos interesses e princípios e que estão dispostos a vivenciá-los numa vida em comum. Consiste inicialmente em colocar a disposição dos demais ...

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

O projeto “De Olho na Terra” teve como objetivo a criação de um telecentro com internet banda larga, anexo ao centro comunitário do Assentamento da Reforma Agrária “Butiá”, localizado no distrito de Volta Grande, município de Rio Negrinho/SC. Atualme ...

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

O Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar visa à integração das Cooperativas da Agricultura Familiar em rede, em nível de Estado, com a finalidade de criar uma inter-relação entre as mesmas e o mercado, de forma organizada e ...

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

A experiência refere-se às ações desenvolvidas pela EMATER/RS-Ascar, em parceria com a AREDE e Rede Ecovida de Agroecologia – Núcleo Missões com o objetivo de contribuir com os agricultores familiares para a obtenção do Certificado de Conformidade Or ...

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro ...

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

O Projeto Jovens Rurais em Movimento busca o fortalecimento do tecido sócio-organizativo do território através do estímulo à participação jovem em fóruns próprios e instâncias territoriais de discussão e decisão. A essência do referido projeto foi a ...

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Ap ...

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

A laranja in natura é uma das alternativas de renda com viabilidade econômica na região de Nova América da Colina, possuindo expressivo mercado potencial, face à proximidade de grandes centros consumidores. No início dos anos 2000, técnicos da Emater ...

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

O projeto hortas comunitárias, desenvolvido desde 2001, é uma estratégia da Eletrosul para o gerenciamento das áreas de risco do sistema de operação de energia elétrica, por meio da conscientização das comunidades sobre os riscos da ocupação irregula ...

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3 ...

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Gar ...

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da a ...

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Trata-se de uma metodologia inovadora de assistência técnica e extensão rural - ATER - junto a mulheres na agricultura familiar, com a finalidade de promover sua capacitação e organização produtiva na cultura do café. Garantindo adicionalmente a qual ...

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

A prática apresenta trabalhos desenvolvidos ao longo de 16 anos com a produção de oleráceas em manejo orgânico na região norte do Paraná, com obtenção de produtividade e qualidade comparada e/ou superior à da agricultura convencional. Para essa reali ...

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

O projeto Sustentabilidade de Comunidades Indígenas tem o objetivo de promover a sustentabilidade do modo de vida Guarani das comunidades indígenas Tekoha Ocoy, no Município de São Miguel do Iguaçu, Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, ambas no Município ...

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

A prática apresenta as ações desenvolvidas pelo Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG) com o objetivo de fortalecer a cadeia sustentável de produtos orgânicos da região Centro-Oriental do Paraná com b ...

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

A implantação da Cantina de Vinho Colonial na propriedade da família Dal Prá objetiva viabilizar técnica e economicamente a pequena propriedade familiar através da agregação de valor ao cultivo da uva, gerando renda com a comercialização do produto i ...

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

O projeto Biodiesel para Inclusão Social busca, através da disponibilidade de resíduos oleosos na região litorânea catarinense, aliar as atividades dos trabalhadores locais, que necessitam ampliar sua renda e que já estão inseridos na coleta e seleçã ...

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

A Acolhida na Colônia é uma associação de agricultores familiares destinada ao desenvolvimento do agroturismo. Através dela, pequenos agricultores passaram a oferecer, em suas propriedades, atividades de hospedagem, alimentação, venda de produtos, la ...

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

O “Caprichando a Morada” busca garantir de forma cooperada e solidária o acesso à moradia de qualidade para agricultores familiares através da sensibilização quanto aos programas habitacionais rurais, mobilização e inclusão dos agricultores no sistem ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7